Postagem em destaque

INDICE AO BLOG NSG E À BIBLIOTECA VIRTUAL LACHESISBRASIL BASEADO EM BUSCAS ESPECÍFICAS

OBSERVE POR FAVOR QUE A MAIORIA DOS LINKS SÃO AUTO EXPLICATIVOS, E CONTÉM INDICAÇÃO DE CONTEÚDO ANTES MESMO DE SUA ABERTURA: 1) SOBRE ...

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Sobre o "Duplo S"




Respondo com certo atraso a uma pergunta recorrente, sobre a questão do "Duplo S", a grande arma de Lachesis. Avalie três breves parágrafos abaixo:

"O envenenamento por Lachesis é considerado grave. Na estatística nacional de acidentes ofídicos, Lachesis ocupa o terceiro lugar (3% do total), porém em outras regiões a sua participação é maior (10% dos casos na região Norte). No Nordeste, a Bahia é o estado com o maior numero de acidentes por picada de cobras. Em 2007 foram registrados 2530 acidentes, dos quais 20 evoluíram para óbito. Na região de Itacaré e entorno (BA), há relato comprovado de três acidentes com Lachesis em 2007, dos quais 01 evoluiu para óbito.

A população rural que conhece a surucucu tem grande temor a este animal, e as suas características biológicas justificam boa parte desse medo. A serpente tem coloração críptica, sendo de difícil detecção no chão da floresta. A surucucu tem a particularidade de armar o bote com duas curvas em "S", o que permite um bote de 50% do tamanho do corpo (outras Viperidae do Brasil enrodilham com uma curva em "S" e tem bote com cerca de 30% do comprimento). Aliado ao porte de até 3,60 metros, pode-se afirmar seguramente que a surucucu detém o maior alcance de bote entre as cobras venenosas brasileiras.

Estas características fazem com que o manuseio da surucucu necessite de pessoal treinado e equipamento adequado. A soltura também é uma questão delicada. Por questões de segurança, no caso de captura recomenda-se translocar o animal para áreas desabitadas e de grandes dimensões. Como grandes proprietários rurais teme por sua segurança ou de sua criação domestica, não autorizam a soltura em suas terras. Restaria pois a liberação em unidades de conservação, porem tal opção tem muitas restrições técnicas e legais, e na pratica dificilmente é utilizada. Isto significa que é grande a chance da serpente "encalhar" em um CETAS se não houverem outras opções de destinação além da soltura"


O texto acima (editado) é do Analista Ambiental e Biólogo do Ibama, Carlos Eduardo F. Luzardo, no parecer COEFA 73/2010, pg 14, e resume a questão do "duplo S". Não tenhamos ilusões, não há cobra mais perigosa na lida, a distancia segura nunca é a que você imagina. Resgates de fauna, quando o animal está em stress máximo e em modo sobrevivência, são risco eminente de vida.


Abaixo, em registros de Bernardo Esteves, encaro o "duplo S" de um animal de 2,30 metros, cujo primeiro bote já foi desferido (daí o alinhamento do animal).

Aqui, meu quase fim http://lachesisbrasil.blogspot.com.br/2013/08/mea-culpa.html






Ou mais didático, o duplo S, no detalhe ...























Abaixo, o duplo S armado, e visto de frente

























E finalmente o raríssimo momento do duplo S aberto, com o animal à 50-60 cm ou mais do solo, ativamente seguindo a fonte térmica. Foto analógica minha, de muitos anos atrás ...




























7 comentários:

  1. Foto analógica de anos atrás podia virar estampa de T-shirt, e pode pôr pra vender.
    Só não deixe o Anti Midas boicotar as vendas

    ResponderExcluir
  2. Dando uma geral aqui no seu blog , beleza de animal
    G Carvalhaes

    ResponderExcluir
  3. Esse duplo s é visto em 100% dos ataques?
    Deve dar mais força ao impulso?

    Daniel

    ResponderExcluir
  4. se a tensão é progressiva, se o animal está cada vez mais estressado, o duplo s sempre ocorre e é uma caracteristica de lachesis que aumenta o alcance do bote; nativos falam sempre nisso, no bote onde a cobra caiu esticada, ou 'em pé na ponta do rabo', portanto, na lida com o genero deve se esquecer de tudo aquilo que aprendemos sobre botes alcançando 1/3 ou no maximo 1/2 do comprimento total do animal em questão, Bothrops ou Crotalus; entender o alcance dos botes nas situações de resgate e em stress maximo foi a lição mais importante daqueles primeiros dias, e quando se fala em 'alcance' refiro-me ao plano horizontal e vertical, tenho 1,82 e já levei bote no peito

    ResponderExcluir
  5. Realmente as surucucus não são bem vindas , ninguém as quer por perto. Mas se são importantes ao ecossistema e com as pesquisas que li aqui até no combate ao câncer. A população local precisa ser instruída e educada a como conviver com elas . Senão serao extintas rapidamente. Beleza de trabalho vcs fazem .

    ResponderExcluir