Postagem em destaque

INDICE AO BLOG NSG E À BIBLIOTECA VIRTUAL LACHESISBRASIL BASEADO EM BUSCAS ESPECÍFICAS

OBSERVE POR FAVOR QUE A MAIORIA DOS LINKS SÃO AUTO EXPLICATIVOS, E CONTÉM INDICAÇÃO DE CONTEÚDO ANTES MESMO DE SUA ABERTURA: 1) SOBRE ...

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

A mais




"Qual é a cobra mais venenosa do mundo ? Qual é a cobra mais venenosa do Brasil" Perguntas frequentes no blog.

É questionamento aparentemente simples, mas de resposta complexa: tem veneno que é fraco no laboratório, mas devastador quando inoculado num ser humano.

Durante a coleta de informações para a matéria da revista Piauí, Bernardo Esteves me fez essa pergunta fatídica, sobre 'a mais', e para respondê-lo, indiquei um paragrafo de Hardy e Haad, publicado pela Chicago Herpetological Society, em 1998*, e que alude ao fato de que uma coisa é teste de potencia de veneno em ratos, outra coisa é a clinica dos envenenamentos em humanos.

* Bull. Chicago Herp. Soc. 33(6):113-123, 1998. "A Review of Venom Toxinology and Epidemiology of Envenoming of the Bushmaster (Lachesis) with Report of a Fatal Bite"

Valendo-me da habilidade um profissional da palavra, e sua incrível capacidade de transformar matéria complexa em algo palatável, transcrevo Bernardo Esteves:

"A toxicidade do veneno de uma serpente é convencionalmente medida por uma unidade que os especialistas chamam de DL 50, que corresponde à dose letal suficiente para matar 50% dos camundongos injetados com a substancia. Mensurada por este método, a peçonha da surucucu não impressiona. Tome-se o exemplo da cascavel, uma das serpentes mais letais para cobaias. 'São necessários 1,5 ou 2 microgramas desse veneno para matar um camundongo' afirmou Aníbal Melgarejo. 'Já com a surucucu, você precisa de uma quantidade 150 a 300 vezes maior'

A baixa letalidade do veneno de Lachesis em cobaias não reflete os efeitos devastadores descritos nos poucos relatos de picadas em humanos descritos na literatura. O americano David Hardy e o colombiano Juan José da Silva Haad discutiram essa discrepância num artigo de 1998. Concluíram que extrapolar os dados de DL 50 de uma especie para outra era uma futilidade.'A lição que fica é que camundongos não são seres humanos', escreveram. 'As dez cobras mais venenosas do mundo não são necessariamente as listadas nos documentários de TV a cabo - amenos que você seja um rato ou porquinho-da-índia'

O herpetólogo americano Dean Ripa mantem em Wilmington, a cidade onde nasceu, na Carolina do Norte, um serpentário aberto ao publico que abriga mais de quarenta espécies venenosas de cobras, trazidas por ele de vários cantos do globo. Sua coleção inclui as serpentes mais temidas do mundo, como a naja-real, a mamba-negra, e a víbora-do-gabão. Ripa tem um fascínio especial pelas Lachesis, sobre as quais escreveu um elogiado livro de referencia. Em seu site, ele diz ter sido mordido catorze vezes por cobras venenosas, das quais sete por Lachesis. Quando lhe pedi que comparasse o envenenamento por surucucus e outras especies, recebi dele o seguinte relato por email:

Entrei em colapso físico em quatro minutos após ter o veneno inoculado numa ocasião, em sete minutos em outra, e em vinte e cinco na terceira. a mordida é muito diferente da de outros viperídeos  por provocar incapacitação e morte de forma muito, muito rápida  Por outro lado a destruição de tecido é comparativamente baixa, se você sobreviver (e, claro, tiver soro antiofídico . Das outras sete mordidas de viperídeos que levei, a surucucu foi de longe a que apresentou o pior quadro sistêmico, mas causou o menor estrago local"

Em 2007 publiquei na Chicago Herpetological Society, o primeiro caso de acidente laquético com evolução minuto a minuto e não tenho duvidas: é picada que pode matar adulto saudável em menos de uma hora. O veneno de cobra mais potente que se conhece, no laboratório, é o da taipan do interior australiano (existe a taipan costeira), ou Oxyuranus microlepidotus. Mata pouco em função da perfeição do sistema medico e de resgates australiano. O sujeito fica bem mal em seis horas, morre entre oito e 24 horas depois da inoculação. Picadas de coral verdadeira no Brasil também podem matar nesse intervalo de tempo, ou menos.

Assim, cabe-me aqui não fechar questão sobre essa ou aquela cobra como sendo 'a mais'. Há bichos no Brasil que exigem prevenção, pois em caso de acidente, o desfecho para nossas vidas é incerto. Essa é a mensagem.

Em tempo, o nome Lachesis vem da mitologia grega, deusa do destino, aquela que tece o fio com o tamanho do nosso tempo de vida.

Para acidente laquético minuto a minuto, em acidente ocorrido no Núcleo Serra Grande, confira:

http://www.lachesisbrasil.com.br/download/BulChicagoHerpSoc_Vol42Num7pp105-115%282007%29.pdf






5 comentários:

  1. Dean Ripa poi mordido 14 vezes por cobras e 7 vezes por Lachesis e não morreu?
    Impressionante .
    Será a teoria da picada seca / Dry bite ?
    Você foi picado uma vez em quantos anos trabalhando diretamente com surucucu ?
    E por outras cobras ?
    Esse cara deve estar ousando ou não usando dos devidos cuidados para proteger-se de picadas.
    O que você acha?

    ResponderExcluir
  2. fui picado uma vez por surucucu (e outra por philodryas olfersii), e o Dean cinco por surucucu, não morreu porque nos Estados Unidos um CTI movel chega a sua casa em 3-5 minutos apos o chamado, e porque numa das picadas, sua ex mulher aplicou 20 ampolas de soro na sua coxa, no musculo, antes da chegada dos paramedicos; eu não vou julgar da margem o trabalho dos marinheiros, mas quanto mais experiente, mais se baixa a guarda

    ResponderExcluir
  3. Acho que a mais perigosa e a mais venenosa é a que a gente encontra pela frente sem ter como fugir e vai ter que encarar o que vier.
    É, vc mentiu que machucou o braço no futebol... Li aqui em algum lugar
    Seu anjo da guarda deve ter um gancho de biriba dos bons!

    ResponderExcluir
  4. sim, foi para não ser encurralado que planejei area de manejo como um octogono de MMA, sem angulos fechados

    ResponderExcluir